Por que o Mogno-Africano no Brasil?

Quando fazemos um estudo com o objetivo de encontrar a melhor solução para um projeto florestal, levamos em conta os benefícios da espécie associados a fatores externos. No caso do mercado de madeiras tropicais duras, estima-se uma redução da oferta e grande aumento da procura para os próximos 20 anos, o déficit pode chegar a mais de 16 milhões de metros cúbicos apenas no Brasil.

Pressionado pelo aumento da demanda e do preço, projetos de florestas plantadas estão sendo cada vez mais exigidos, principalmente com relação a produtividade e qualidade, e neste sentido o cultivo do Mogno-Africano atinge bons lucros para cada hectare plantado, sendo o investimento basicamente concentrado na criação e manutenção da floresta. O Mogno-Africano tem uso comercial extraordinário, devido às características tecnológicas e à beleza da madeira. O mercado para a madeira do Mogno-Africano é consolidado e atende uma enorme rede de consumidores, desde marcenarias atacadistas, indústrias moveleiras, lâminas e instrumentos. A madeira é usada em movelaria, faqueado, construção naval e em sofisticadas construções de interiores e inúmeros produtos especiais.

Com relação a produtividade da floresta é indiscutível a vantagem competitiva do Brasil, liderando o ranking de nível de produtividade por hectare, seguido pela China, Indonésia e Austrália. Levando em conta o fator ambiental, a exploração de florestas naturais da Amazônia coloca o Brasil em uma posição delicada, o qual vem aumentando a cada dia o custo ambiental de exploração de madeira de áreas naturais. Estima-se que a produção de madeira nativa da Amazônia em áreas privadas deve baixar 64% nos próximos vinte anos.

No Brasil, o mercado de florestas plantadas é concentrado na cultura do eucalipto e pinus, sendo mais de 7 milhões de hectares ocupados. O mogno africano complementam em menor quantidade de área, em torno de 30 mil hectares. Florestas e plantações de madeira são consideradas como uma atividade econômica estável por séculos.

Dentro do contexto tecnológico, a silvicultura é bem avançada no Brasil. No caso mais específico do Mogno-Africano, houve transferência de tecnologia de produção oriundas da Austrália, o que impulsionou ainda mais a cultura no país. Paralela a questão de produção e manejo, o Mogno-Africano se adaptou muito bem em várias regiões do Brasil, o que possibilitou e estimulou a implantação de novos empreendimentos pelo país.

Outro detalhe importante é de que o manejo de Mogno-Africano agrega alto valor até em pequenas áreas, uma vez que projetos de implantação de 5 a 10 hectares por ano possuem viabilidade para atuar na exportação, seja de madeira em toras ou serradas.

Conforme participação no Workshop de Mogno Africano, Simon Penfold, Diretor da African Mahogany Australia (AMA) indicou alguns aspectos que posicionam o Brasil como um potencial polo produtor de Mogno-Africano, tais como:

  • Disponibilidade por solos jovens e férteis;
  • Necessidade de insumos para correção dos solos, sem necessariamente para estimular o crescimento;
  • Baixo risco de incêndios;
  • Baixo custo para envios de madeira para China, Estados Unidos e Europa;
  • Potencial de Carbono.

Assim sendo, concluiu que o Brasil possui um cenário de atratividade e crescimento para empreendimentos de Mogno-Africano, além do baixo custo de operação. Entenda com mais detalhes a lucratividade do mogno africano, baixe nossa planilha modelo de investimento: 

planilha modelo de investimento

 

 

 

 

 

  

 

Ligar

icon telefoneFale conosco!

(11) 4063-5206

 

Bate-Papo

icon chat

Receba ajuda de um

especialista on-line

Das 8h às 18h

E-mail

icon email

Envie-nos perguntas

detalhadas sobre sua dúvida

Saber Mais

Saber Mais

Use a Central de Atendimento

para encontrar as respostas

rapidamente.

Logo IBF

 WhatsApp IBF

bnds edit

Endereço

Instituto Brasileiro de Florestas

IBF Londrina

- Rua Sena Martins, 281B
Bela Vista, Londrina - Paraná
86015-060

+55 (43) 3324-7551

IBF Curitiba

- Rua Lívio Moreira, 631
São Lourenço, Curitiba - Paraná
82200-070

+55 (41) 3018-4551