árvore guatambuA árvore Guatambú é encontrada no Brasil do sul da Bahia até o Rio Grande do Sul, estando presente também nos estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. É facilmente vista na Serra da Cantareira e restante da Mata Atlântica.

A muda de Guatambú pode atingir a altura de 10 a 30 metros. Seu tronco acinzentado e de casca áspera, pode chegar a medir de 40 a 80 cm de diâmetro e se estende muito para o alto antes de ser coberto pela copa. Suas folhas medem até 15 cm de comprimento por 6 de largura e apresentam forma de lança (lâneo-alongadas), margens onduladas e distribuem-se de modo alternado.

Suas flores são alvas e pequenas. Enquanto os frutos da planta Guatambú são em formato de cápsulas distribuídas aos pares em cada pedicelo, quando maduros medem 6 cm de comprimento por 2,5 de largura. Apresentam âmbito semi oboval, sendo fortemente comprimidas dos lados e com base atenuada em pseudo pedicelo, de ápice arredondado, tendo no centro de cada válvula uma linha longitudinal escura. Suas sementes são aladas.

A reprodução do pé de Guatambú se dá por meio de sementes e por estacas de 30 cm ou pouco mais, não tendo mais de 1 cm de diâmetro. Sua floração ocorre no final do mês de agosto, ocasião em que se reveste de nova folhagem, prolongando esse processo até o início de novembro. Os frutos amadurecem entre julho e agosto. Para obter as sementes é preciso esperar que os frutos se abram espontaneamente para que assim seja possível colher diretamente da árvore. Para facilitar e acelerar o processo, coloque eles no sol para completarem sua abertura e liberarem as sementes. Essas sementes são colocadas, logo que colhidas, direto no solo ou em recipientes individuais para germinar e deve ser irrigada duas vezes ao dia ela.

O desenvolvimento das mudas é rápido, de modo que elas podem ser plantadas no local definitivo em menos de 6 meses. A madeira do Guatambú, de cor amarelo-clara e textura fina, é dura, bastante resistente e moderadamente pesada. É considerada uma madeira de lei, muito forte, porém de baixa duração, presta-se especialmente à marcenaria, sendo útil para a confecção de vigas, assoalhos, obras internas, construção naval, cabos para ferramentas, bengalas, xilografia, instrumentos musicais, entre eles o berimbau. Por ser muito utilizada na confecção de cabos de enxada.

As espécies de árvores nativas como o GUATAMBÚ são muito indicadas para ações de reflorestamento, preservação ambiental, arborização urbana, paisagismos ou plantios domésticos. O reflorestamento, por exemplo, corresponde a implantação de florestas em áreas que já foram degradadas, seja pelo tempo, pelo homem ou pela natureza.

Já quando há a finalidade de arborização urbana ou paisagismo, é necessário avaliar o espaço em que a muda será plantada para que não haja problemas com a fiação elétrica ou rachaduras na calçada.

No viveiro do Instituto Brasileiro de Florestas é possível encontrar mudas de árvores nativas produzidas em tubetes plásticos de diversos tamanhos. Todas com a certificação no Registro Nacional de Mudas e Sementes – RENASEM.

Confira também sobre Timburi!

 

Fale Conosco