Espaçamento utilizado no cultivo do Mogno-Africano

O espaçamento ideal em plantios destinados à produção de madeira para serraria é aquele que atinge boa produtividade e qualidade da madeira extraída pelo menor custo de implantação e manutenção, alcançando maior lucratividade do negócio florestal. O espaçamento diz respeito a distância entre as árvores.

Para definir a distância ideal entre as plantas no campo é considerado: o sistema radicular; parte aérea durante o desenvolvimento das árvores e o tamanho da área a ser explorada. O espaçamento também influencia nas seguintes características das árvores:

  • DAP (diâmetro à altura do peito);
  • Volume total da floresta;
  • Volume por indivíduo;
  • Retilineidade;
  • Distribuição da copa;
  • Rachaduras;
  • Presença de nós na madeira;
  • Rápido fechamento do dossel e menor custo de operação;
  • Atividades de manejo possuem relação com os espaçamentos adotados.

Todas as vantagens pontuadas anteriormente influenciam uma a outra. Quando se é plantado no espaçamento 3x2 metros ou de 3,5x1,7 metros, há a competição entre as árvores plantadas para obter mais luz e nutrientes no solo. Essa competição é favorável, fazendo com que elas cresçam de forma mais retilínea e produzam menos ramos laterais. Dessa forma, o fechamento do dossel se dá de forma mais rápida do que em espaçamentos mais amplos. 

O fechamento do dossel dificulta a passagem de luz fazendo com que as plantas invasoras não predominem na floresta, reduzindo-se assim o custo de manutenção da floresta.

espaçamento mogno africano 3x2Plantios mais espaçados destinam uma maior área por indivíduo e maior incremento por planta na fase inicial. Já espaçamentos menores diminuem o volume por planta e aumentam a produtividade total de madeira por hectare, resultando em ganho qualitativo nos aspectos da esbeltez, retilineidade e homogeneidade.

Por isso, o melhor custo-benefício para produção de madeira para serraria são os sistemas puros, espaçamento com aproximadamente 6 m²/árvore em quincôncio, facilitando a mecanização e melhor distribuição do espaço vital. Deste modo, inicia-se com o povoamento inicial de 1.666 árvores/hectare, conforme ilustrado na figura ao lado. 

Já os espaçamentos amplos, como o 4 x 4 m ou 6 x 6 m, fazem com que a árvore seja mais tortuosa, apresente mais galhos, menor conicidade e consequentemente baixo grau de esbeltez. Tudo isso gera uma menor seleção das árvores, pois irão apresentar fator de forma menor e consequentemente baixa produtividade.

O fechamento do dossel da floresta é mais lento, apresentando maior incidência de luz solar, propício para o surgimento de plantas invasoras. Sendo necessário realizar atividades de manutenção da floresta mais recorrente e gerando assim maior custo de operação.

Portanto, a densidade de povoamentos homogêneos ideal para a produção de madeira para serraria pode variar entre 1.200 e 2.000 árvores por hectare. Para o Mogno-Africano, o espaçamento mais utilizado é 3x2 ou de 3,5x1,7 metros, (1.666 árvores/hectare) demonstrando ser um modelo com bom custo benefício, permitindo boa qualidade e seleção da madeira madura, além de facilitar o acesso e o manejo mecanizado entre as linhas.

No sudeste de Minas Gerais foram implantados povoamentos puros de Mognos-Africanos no espaçamento 3 x 2 ou de 3,5 x 1,7 metros (1.666 árvores/ha), adotando o seguinte manejo:

  • Remoção de 33% da área basal no 4° ano;
  • Remoção de 43% da área basal no 8° ano;
  • Remoção de 46% da área basal no 13° ano;
  • Corte raso a partir do 17° ano.

Os seguintes pesos equivale aproximadamente a remoção de 833, 416, 208 e 208 árvores por hectare no 4°, 8°, 13° e a partir do 17° ano respectivamente. Além do modelo de desbaste que mencionamos, também pode ser feito com outras idades, outras frequências e outros volumes. 

Como visto, a distância entre as plantas é um dos fatores que têm relação direta com a produtividade da floresta e qualidade da madeira produzida. Quando se utiliza o espaçamento ideal, é preciso realizar os desbastes periódicos, pois ajudará com que as árvores remanescentes tenham mais espaços e nutrientes para continuarem se desenvolvendo. Entenda mais sobre as técnicas e cuidados do mogno africano baixando o referencial técnico no botão abaixo: 

 Referencial tecnico mogno africano

 

 

 

 

 

 

 

  

 

Ligar

icon telefoneFale conosco!

(11) 4063-5206

 

Bate-Papo

icon chat

Receba ajuda de um

especialista on-line

Das 8h às 18h

E-mail

icon email

Envie-nos perguntas

detalhadas sobre sua dúvida

Saber Mais

Saber Mais

Use a Central de Atendimento

para encontrar as respostas

rapidamente.

Logo IBF

 WhatsApp IBF

bnds edit

Endereço

Instituto Brasileiro de Florestas

IBF Londrina

- Rua Sena Martins, 281B
Bela Vista, Londrina - Paraná
86015-060

+55 (43) 3324-7551

IBF Curitiba

- Rua Lívio Moreira, 631
São Lourenço, Curitiba - Paraná
82200-070

+55 (41) 3018-4551