Plantio comercial de mogno africano no Brasil

Em vez de ler, que tal ouvir o artigo? Experimente no player abaixo:

 

Destaque no mercado internacional de madeiras tropicais duras, o mogno africano ganha espaço e tem se tornado a principal madeira nobre cultivada no Brasil. O plantio comercial dessa espécie exótica se diferencia das demais devido à beleza da madeira, por seu tom castanho avermelhado, fácil adaptação ao clima brasileiro e alto retorno financeiro que pode chegar até meio milhão de reais por hectare plantado.

Introduzido em território brasileiro na década de 70 e difundido nas décadas de 80 e 90, o mogno africano foi utilizado inicialmente em áreas de reposição florestal e plantios experimentais promovidos pela Embrapa.

Essa espécie se tornou popular nos últimos anos e ganhou fins comerciais não só pela fácil adaptação ao clima e solo em diversas regiões quentes do Brasil, como também aos fatores biológicos que apresenta, além de licenças ambientais para plantio mais simples quando comparada às culturas nativas.

É possível encontrar inúmeras espécies de mogno africano no mercado hoje. Contudo as mais comuns para produção de madeira nobre para serraria e que apresentam maior povoamento florestal no Brasil são as da espécie K. grandifoliola (antigo K. ivorensis).

mogno africano

Além disso, a madeira produzida é apreciada no mercado exterior. O preço da madeira serrada e seca de mogno africano (K. grandifoliola), é analisado nos relatórios do International Tropical Timber Organization (ITTO) mensalmente. Desta forma é possível acompanhar as oscilações de valores praticados por outros países em âmbito internacional.

Estima-se que em todo o território nacional há mais de 40 mil hectares plantados dessa espécie devido a sua maturação biológica precoce, a qual se dá entre 13 e 15 anos de idade e o corte raso ocorre a partir dos 17. Enquanto algumas espécies nativas, como a do ipê roxo, essa maturação é atingida aos 25 anos de idade. Logo, o retorno financeiro é mais rápido em comparação a outras espécies. 

Contudo, é preciso se atentar a diversos detalhes antes de se realizar o plantio. As fases de pré-plantio e plantio devem ser feitas com o máximo de atenção para evitar surpresas e prejuízos. 

Logo, os custos de implantação podem variar de projeto para projeto, uma vez que são analisados o solo e nutrientes do local, o uso anterior da terra, clima, índice pluviométrico e atividades preventivas para evitar a ocorrência de pragas e doenças.

As fases de pré-plantio e plantio são as que apresentam maior custo ao produtor. Por outro lado, as atividades de manutenção são reduzidas consideravelmente pelo fato dessa espécie apresentar baixa incidência de ramos e galhos acarretando em menores custos de manutenção com a poda e desrama.

Outra forma de se reduzir custos e obter madeira de ótima qualidade para serraria, é a adoção de espaçamento de 3x2 ou de 3,5x1,7 metros por influenciar no tempo de crescimento, o qual acarreta na competição entre as árvores que fecham o dossel mais rapidamente e também por mineralizar de forma mais efetiva os nutrientes nas plantas.

Lembrando que é possível ocorrer diferenças de custos para implantação de florestas de mogno africano de região para região. Faça o download e confira na planilha modelo de investimento:

planilha de investimento

 

 

 

 

 

  

 

Ligar

icon telefoneFale conosco!

(11) 4063-5206

 

Bate-Papo

icon chat

Receba ajuda de um

especialista on-line

Das 8h às 18h

E-mail

icon email

Envie-nos perguntas

detalhadas sobre sua dúvida

Saber Mais

Saber Mais

Use a Central de Atendimento

para encontrar as respostas

rapidamente.

Logo IBF

 WhatsApp IBF

bnds edit

Endereço

Instituto Brasileiro de Florestas

IBF Londrina

- Rua Sena Martins, 281B
Bela Vista, Londrina - Paraná
86015-060

+55 (43) 3324-7551

IBF Curitiba

- Rua Lívio Moreira, 631
São Lourenço, Curitiba - Paraná
82200-070

+55 (41) 3018-4551