Guanandi

 

guanan2

  GUANANDI (Calophyllum brasiliensis)

  EXCELENTE OPÇÃO EM REFLORESTAMENTO

 O Guanandi, também chamado de Jacareúba, é uma madeira de lei resistente e de  grande aceitação, mas difícil de encontrar nos dias atuais. Essa árvore atinge de 20 a  30 metros de altura e diâmetro de 40 a 60 cm.

 Sua madeira é moderadamente pesada, fácil de trabalhar, de textura pouco compacta e  pouco durável quando exposta.

 Encontrado desde a região amazônica até o norte de Santa Catarina, principalmente na mata atlântica, tem se adaptado  bem a terrenos onde outras espécies encontram dificuldade, mesmo em terras pobres, pedregosas, rasas ou sujeitas à  inundações.

 O Guanandi desenvolve-se bem em temperatura média anual de 18ºC (Minas Gerais) a 26ºC (Pará e Amazonas), suporta geadas, desde que em baixa frequência (máximo de duas por ano).

 

Destino do Guanandi

O Guanandi possui uma madeira moderadamente pesada (0,62 g/cm³), fácil de trabalhar, de textura pouco compacta, a qual é usada na confecção de canoas, mastros de navios e vigas, na construção civil, em obras internas, assoalhos, marcenaria e carpintaria.

Também é utilizado para paisagismo em geral. Seus frutos são consumidos por várias espécies da fauna, sendo útil para o reflorestamento de áreas degradadas. Pode ser cultivado em plantios comerciais para exportação da madeira.

 

Condução

O espaçamento recomendado para o plantio comercial é de 3m x 2m (1.666 árvores/hectare), a altitude deve ser de até 1.500 metros ao nível do mar, sendo que as áreas paludosas não são aconselháveis.

Além disso, a espécie é suscetível à geada e requer irrigação em regiões com mais de três meses de estiagem.

 

Potencial de Mercado

Rentabilidade como sequestrador de carbono. Só as plantas nobres como o guanandi se enquadram nos projetos internacionais relacionados a esse tipo de procedimento, sendo que estudos indicam o guanandi como uma das melhores plantas adaptáveis a tais projetos.

Cabe salientar que a Bolsa de Mercado & Futuros (BM&F) já está autorizada a comercializar o carbono sequestrado em projetos como o do Guanandi.

 

Agregando valor à terra

Entre o 3º e o 5º ano (fechamento da floresta), a terra terá seu valor de mercado multiplicado muitas vezes em razão da raridade (terra+floresta nobre), do potencial da madeira e do interesse nacional e internacional dos empresários no ramo madeireiro.

Certamente, a bola da vez, agora e no futuro!

Para Solano Aquino, Presidente do Instituto Brasileiro de Florestas, há em curso uma redução, a nível mundial, da oferta de madeira.

Isto se deve, em parte, às pressões para a preservação das florestas, por meio de práticas conservacionistas e de manejo sustentável, e em virtude da exploração abusiva ocorrida em certos países, como é o caso da Tailândia e das Filipinas, que levou os respectivos governos a, finalmente, tomar medidas para preservar o pouco que ainda existe de áreas cobertas por florestas - avalia Solano.

 

Plantio Comercial do Guanandi

O cultivo para fins comerciais é demorado, pois o período de corte é de 18 a 25 anos, sendo caracterizado como um investimento de longo prazo.

Entretanto, é possível realizar o segundo desbaste comercial (manter as melhores árvores) no 11º ano, tendo o primeiro lucro em relação à madeira.

A madeira do 1º desbaste pode ser vendida como lenha ou para produção de móveis rústicos e indústria de cutelaria.

No 2º e 3º desbastes, é possível utilizá-la como toras de pequeno diâmetro, as quais são industrializadas para produção de sarrafos, estacas, cabos, escoras e painéis voltados à produção de móveis.

 

Tabela - Reflorestamento Comercial (desbastes):

Manutenção da Desrama - Valor* Desbaste** Valor Aproximado
4º ano - 1/3 da árvore 25% R$ 40,00/m³
11º ano - 1/3 da árvore 35% R$ 50,00/m³
14º ano - 1/3 da árvore 50% R$ 300,00 m³
20º ano - (corte raso) 100% R$ 2.000,00/m³

*Corte de alguns galhos e ramos para o crescimento retilínio.

**Corte de algumas árvores para o crescimento em espessura.

*Valores cotados em 2015.

 

Viabilidade Econômica do Guanandi:

Investimento
R$ 2.000,00 ha/ano
Rentabilidade
R$ 2.000,00/m³
Lucro aproximado (bruto)
R$ 200.000,00/ha (R$ 500,00/árvore)

 *Valores cotados em 2015.

Faça o download dos nossos materiais!

Plantio e Utilização:

alt Viabilidade Econômica no Plantio de Guanandi

 

Produção de Mudas:

alt Estudo da Anatomia das Folhas e Caule do Guanandi

alt Germinação e Desenvolvimento de Mudas de Guanandi

Fale Conosco

Vantagens do Mogno

 

 

 

 

Treinamento

 

Boletim Informativo

Mogno Africano

Ligar

icon telefone

Fale com um especialista do IBF

das 8h às 18h

+55 11 4063-5206

Bate-Papo

icon chat

Receba ajuda de um

especialista on-line

Das 8h às 18h

E-mail

icon email

Envie-nos perguntas

detalhadas sobre sua dúvida

Saber Mais

Saber Mais

Use a Central de Atendimento

para encontrar as respostas

rapidamente.

Logo IBF

 whats

bnds edit

Nossos Serviços

Endereço

Instituto Brasileiro de Florestas

IBF Londrina

- Rua Sena Martins, 281
Bela Vista, Londrina - Paraná
86015-060

+55 (43) 3066-2045

IBF Curitiba

- Rua Lívio Moreira, 631
São Lourenço, Curitiba - Paraná
82200-070

+55 (41) 3018-4551