Certificação da floresta e da madeira de mogno-africano cultivada

A certificação da floresta é uma garantia de origem da madeira que serve para o comprador ter a opção de escolher um produto diferenciado e com valor agregado, atingindo um público mais exigente.

Certificação da Floresta FSC

Permitindo esse público adquirir um produto que não degrade o meio ambiente e colabora para o desenvolvimento social e econômico das comunidades florestais. O processo de certificação precisa garantir a manutenção da floresta e também o emprego e a atividade econômica que proporciona.

O selo verde reconhecido em todo mundo e presente em mais de 75 países é o FSC (Florest Stewardship Council), que tem o objetivo de disseminar o uso racional da floresta, permitindo sua existência a longo prazo. Para tanto, criou um conjunto de normas internacionais chamadas de Princípios e Critérios que assegurem ao mesmo tempo a floresta, os benefícios sociais e a viabilidade econômica. Para obter o selo é necessário todas as etapas da cadeia produtiva ser certificada. Um produto com o selo FSC terá um valor agregado maior, podendo abrir novos mercados além de poder ser rastreado em sua cadeia produtiva.  Acredita-se que a madeira certificada, em média 8,5% mais cara do que a sem histórico de proveniência.

As normas de Manejo Florestal garantem que a floresta é manejada de forma responsável, de acordo com os Princípios e Critérios do FSC:

FSC selo certificação

P1: Conformidade com as Leis e Princípios do FSC;
P2: Posse e Direitos e Responsabilidades de Uso;
P3: Direitos dos Povos Indígenas;
P4: Relações Comunitárias e Direitos dos Trabalhadores;
P5: Benefícios da Floresta;
P6: Impacto Ambiental;
P7: Plano de Manejo;
P8: Monitoramento e Avaliação;
P9: Manutenção de Florestas de Alto Valor de Conservação;
P10: Plantações.


No que diz respeito ao Princípio Plantações, elas podem proporcionar um leque de benefícios sociais e econômicos e contribuir para satisfazer as necessidades globais por produtos florestais, elas devem completar o manejo, reduzir as pressões e promover a restauração e conservação das florestas naturais:

  • Implementadas de forma planejada;
  • Contribuir para a conservação das florestas naturais;
  • Minimização dos impactos;
  • Diversificação;
  • Benefícios sociais.


Os 10 princípios do FSC garantem vantagens e benefícios que atingem todos níveis da cadeia produtiva, desde a floresta até o consumidor final.

  • Preços melhores, pois a procura por madeira certificada é grande e aumenta a acessibilidade ao mercado internacional, especialmente europeu;
  • Aumento de produtividade. Trabalhadores treinados em técnicas de manejo florestal reduzem o desperdício na floresta;
  • Melhoria de imagem. Para empresas que trabalham com o setor madeireiro, o certificado FSC traduz a responsabilidade socioambiental com o manejo da floresta;
  • Garantia de origem. Ao comprar de produtores certificados, a empresa sabe que a madeira que está consumindo provém de uma floresta bem manejada e, portanto, não está colaborando para a exploração predatória dos recursos florestais;
  • Reconhecimento do mercado. Um número crescente de consumidores conscientes estão dando preferência aos produtos que tem o selo. Para empresas exportadoras, o selo pode aumentar a acessibilidade ao mercado externo;
  • Responsabilidade Social. Empresas que possuem a certificação e aquelas que compram produtos com o selo estão traduzindo em ações o seu comprometimento com a responsabilidade social;
  • Garantia de origem para os consumidores. Ao comprar produtos certificados, o consumidor consciente sabe que aquela matéria-prima florestal foi explorada através de técnicas de manejo, e em que foram aplicadas localmente as leis ambientais e trabalhistas;
  • Contribuição para a causa. Ao escolher um produto certificado, o consumidor está premiando as empresas responsáveis que respeitam toda a legislação, o direito dos trabalhadores e da comunidade, além de obedecer todos os padrões estabelecidos para um bom manejo da floresta.


O FSC realiza dois tipos de certificação: a de manejo florestal propriamente dita, onde todos os produtores podem obter o certificados. As florestas podem ser naturais ou plantadas, públicas ou privadas e a certificação é caracterizada por tipo de produto: madeireiro, como toras ou pranchas; ou não, tal como o óleo, sementes e castanhas.


O outro tipo de certificação diz respeito a cadeia de custódia, destinada aos produtores que processam a matéria-prima. Os alvos desta categoria são as serrarias, os fabricantes e os designers que desejam utilizar o selo FSC no seu produto. Assim, a certificação é voltada para garantir a rastreabilidade, que integra a cadeia produtiva até o produto final.


Hoje o Brasil é considerado o país com maior área de florestas e também o maior número de produtos certificados. Hoje já são mais de 3 milhões de hectares de florestas certificadas, que vai desde o Amazonas até o Rio Grande do Sul e cerca de 170 certificações de cadeia de custódia.


Os produtos com o selo verde são destinados, em sua maior parte para exportação a países europeus e da América do Norte. Portanto, já existe um número superior a 60 organizações (indústrias, designers, governos estaduais, entidades de classe e outros) pertencentes ao Grupo de Compradores de Madeira Certificada, entidade que se compromete em dar sempre preferência ao produto certificado.


A criação do FSC Brasil (o Conselho Brasileiro de Manejo Florestal) foi em 2001. Hoje a perspectiva é o crescimento constante das áreas florestais certificadas e dos produtos com cadeia de custódia certificadas.

Para informações adicionais, acesse: https://br.fsc.org/pt-br/fsc-brasil

 

Workshop Internacional de Mogno Africano

A FSC demonstrou a importância da certificação na 4º, 5º e 6º edições do Workshop Internacional de Mogno Africano, realizados na cidade de São Paulo/SP.

andrea.palestra.fsc.6workshop


Investimento no Manejo de Mogno Africano

Afrikanischer Mahagoni
Segundo o Diretor Presidente do Instituto Brasileiro de Florestas (IBF), Solano Martins Aquino, o mercado brasileiro de madeiras nobres já movimentava em 2015 mais de meio bilhão de reais, sendo que os produtores  já estão chamando o Mogno Africano de ouro verde. O  crescimento da produção do Mogno Africano, como lavoura executada de forma profissional, cresceu nos últimos sete anos.  Trata-se de uma espécie que ainda está entrando no mercado brasileiro, mas o valor que movimenta a economia hoje já é significativo, representando um investimento seguro.

"Não há uma área mínima definida para que o negócio seja viável, obviamente segue o mesmo padrão de qualquer outro negócio. Projetos maiores abrem possibilidade para um maior poder de negociação face aos fornecedores de mudas, insumos e serviços e isso faz com que haja um custo unitário mais baixo, tornando automaticamente a floresta mais rentável”, diz Solano.

Ao analisar os valores monetários de importação e exportação das toras e da madeira laminada (metro cúbico) de países como a França e Portugal nos anos de 2008, 2009 e 2010, percebemos uma grande quantidade de importação e pouca exportação. Estes países utilizam o Mogno Africano e ainda necessitam importar para atender seu mercado interno. Contudo, é uma madeira extremamente valorizada. Seu cultivo em países como o Brasil, onde ela apresenta um crescimento superior à região nativa, pode nos tornar um país potencialmente exportador desta madeira.

Fazendo um comparativo dos valores de DAP, altura total, altura do fuste e volume encontrados no Brasil a valores da espécie em outros países produtores percebemos que aos 4,4 anos já estamos muito superiores a uma espécie em sua região de origem. O Brasil, que já se destaca nacionalmente na produção do Mogno Africano, vai se destacar muito mais internacionalmente por apresentar um desenvolvimento da espécie muito superior à outras regiões, portanto o produtor interessado neste mercado deve ficar atento as normas para exportação, exigência do FSC e outras exigências do mercado internacional, com a vantagem de auferir uma margem de lucro maior de seu produto.

Vantagens do Mogno

 

 

 

 

Treinamento

 

Boletim Informativo

Mogno Africano

Ligar

icon telefone

Fale com um especialista do IBF

das 8h às 18h

+55 11 4063-5206

Bate-Papo

icon chat

Receba ajuda de um

especialista on-line

Das 8h às 18h

E-mail

icon email

Envie-nos perguntas

detalhadas sobre sua dúvida

Saber Mais

Saber Mais

Use a Central de Atendimento

para encontrar as respostas

rapidamente.

Logo IBF

 whats

bnds edit

Nossos Serviços

Endereço

Instituto Brasileiro de Florestas

IBF Londrina

- Rua Sena Martins, 281
Bela Vista, Londrina - Paraná
86015-060

+55 (43) 3066-2045

IBF Curitiba

- Rua Lívio Moreira, 631
São Lourenço, Curitiba - Paraná
82200-070

+55 (41) 3018-4551